empreender

Não deixei minha carreira para empreender

Li diversos conteúdos a respeito do momento que você deixa sua carreira de lado para empreender. A maioria deles fala do tema mostrando os desafios de largar tudo e começar de novo. Em geral esses conteúdos são cheio de soluções mágicas, mas eu nunca achei isso tão bonito ou vantajoso, porque na prática nem tudo é assim tão fácil.

Para começar, acredito que ninguém deixa algo, a pessoa apenas transforma a vida a partir do que já foi construído. É como uma evolução, um novo passo e não simplesmente um “larguei tudo”. Dizer que você largou tudo passa a impressão de que o que foi feito anteriormente não teve assim tanto valor ou foi perda de tempo.

Steve Jobs sempre me inspirou a pensar dessa maneira. As aulas de caligrafia do criador da Apple, por exemplo, pareciam algo sem valor na época, mas, no fim, elas foram responsáveis por inspirar grandes mudanças no mundo da informática. Jobs sempre considerou cada ação dele como importante e que tudo não passou de uma transformação e evolução pessoal e profissional.

Empreender não é largar tudo

Quando eu era adolescente, já buscando minha liberdade financeira, fiz de tudo! Ainda assim, estabilidade nunca foi o que busquei como prioridade, corri riscos, troquei de emprego, sempre em busca de mais conhecimento e algo que me proporcionasse um maior crescimento pessoal também.

Depois de formada, pós-graduada e há mais de 10 anos trabalhando com Marketing, em agosto do ano passado (2016) eu fui chamada para trabalhar em umas das startups que mais cresce no Brasil. É claro que aceitei! Deixei mais uma vez minha cidade para viver o cargo de líder que tanto almejei e num lugar que tanto sonhei.

Tudo estava aparentemente bem e acontecendo positivamente de forma acelerada. Um mês de aprendizado parecia um ano lá. A equipe que ajudei a construir era maravilhosa, em poucos meses vivenciei nessa empresa o crescimento da área de Marketing, recordes de vendas, participações em grandes eventos e diversas premiações e reconhecimentos.

No meio de todo esse contexto favorável, era confortável viver com uma carreira de CLT, com aquela segurança de no final de todo mês receber o meu salário e os benefícios que eles ofereceriam. Mas havia algo que não fazia mais sentido para mim e que estava me tirando o sono. Algo que eu ainda não conseguia explicar.

Os dias começaram a ficar mais cansativos do que o normal e acordar já estava cada vez mais difícil. Comecei então a avaliar toda a minha carreira e percebi que sentia falta de uma coisa que nunca tive em grandes proporções: liberdade.

Em cada empresa obtive diferentes tipos de liberdade, mas, independentemente de qualquer coisa, enquanto CLT, a liberdade que você terá dentro de uma empresa jamais será a mesma de quando você é empreendedor. Cheguei a essa conclusão depois de conversar com algumas pessoas, desde aquelas que começaram agora até as que estão há anos empreendendo.

Construindo um caminho empreendedor

É claro que para toda decisão há uma renúncia. Fomos todos educados para sermos empregados. Afinal, nossos pais nos incentivaram a estudar para arrumar um bom emprego e ter nossa estabilidade de vida.

Além de ter que desconstruir esse pensamento que está presente desde cedo em nossa vida, há também um questionamento enorme sobre segurança financeira, que contribui para que tenhamos receio de empreender.

Mas, vamos para a prática: hoje em dia as contratações não são mais como antes. Não existe segurança total mesmo em um emprego CLT. As demissões acontecem com muito mais frequência e, mesmo que estejamos educados para ter medo apenas do empreendedorismo, a instabilidade está em todas as partes, seja para empregado ou para empreendedor.

Sendo assim, se você quer tanto crescer e evoluir, se a sua vontade de mudar o mundo é latente, então, é preciso lutar pelo caminho que irá trazer isso com mais intensidade e com mais possibilidades de sucesso: empreendendo.

E, lembre-se: você não largou tudo para empreender, você evoluiu.

Esse texto foi publicado originalmente no meu LinkedIn Pulse. Para conferir em sua versão original, acesse aqui,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *